20/06/2017

Filipe Melo _ Out to Lunch 01

  






Comecei o dia a ouvir o Kind of Blue. Cheguei mais cedo do que o previsto, esplanadei-me e o que saía do rádio do café era o Blue Train. Se estava preocupado com o resultado destas fotografias, passou depressa — tinha, afinal, a música do meu lado.
Não me vou alongar nem sobre estas fotos, nem sobre esta coisa do Out to Lunch — isso será feito em breve, numa morada própria e com a conversa toda direitinha. Para já, pouso-as aqui, provisoriamente. E aproveito estas linhas para agradecer ao Filipe, que para além de ser um homem renascentista dos mil talentos, é das pessoas mais fixes que conheço, com o coração que mais parece uma catedral.

Este é o primeiro Out to Lunch — começa da melhor maneira, com o Filipe. ( ++ )

Sejam bem-vindos.


Out to Lunch _ 00

Impressões do teatro

Para mim, o mais importante na tragédia é o sexto acto:
o ressuscitar no campo de batalha,
o agitar das perucas e dos trajes,
o arrancar da faca do peito,
o tirar da corda do pescoço,
o dispor-se na fileira entre os vivos
de cara voltada para o público.

As vénias individuais e colectivas:
a mão branca sobre a ferida no peito,
o reverenciar da suicida,
o acenar da cabeça cortada.

As vénias aos pares:
a fúria dando o braço à brandura,
a vítima trocando um olhar doce com o carrasco,
o rebelde sem rancor acertando o passo com o tirano.

O pisar da eternidade com a biqueira da botina dourada.
O escorraçar da moral com a aba do chapéu.
A incorrigível prontidão de recomeçar amanhã.

A entrada em fila indiana dos mortos
nos actos terceiro, quarto e nos entreactos.
O milagroso retorno dos desaparecidos sem notícia.

Pensar que esperavam pacientemente nos bastidores,
sem tirarem as vestes,
sem limparem a maquilhagem,
comove-me mais do que as tiradas trágicas.

Porém, o mais sublime é o cair do pano
e o que se avista através da fresta minguante.
Aqui, uma mão apressa-se para chegar às flores,
acolá, uma outra apanha a espada caída.
Por fim, uma terceira mão invisível
cumpre o seu dever:
aperta-me a garganta.


(amanhã explico o título deste post)
(p.s. este poema está num livro que foi, finalmente, reeditado pela Relógio D'Água)

16/06/2017

+ + Francis Ponge + + Première ébauche d'une main

1

La main est l'un des animaux de l'homme : toujours à la portée du bras qui la rattrape sans cesse, sa chauve-souris de jour.
Reposée ci ou là, colombe ou tourtereau, souvent alors rejointe à sa compagne.
Puis, forte, agile, elle revolette alentour. Elle obombre son front, passe devant ses yeux.
Prestigieusement jouant les Euménides.

[…]

6

La main est l'un des animaux de l'homme ; souvent le dernier qui remue.
Blessée parfois, traînant sur le papier comme un membre raidi quelque stylo bagué qui y laisse sa trace.
A bout de forces, elle s'arrête.
Fronçant alors le drap ou froissant le papier, comme un oiseau qui meurt crispé dans la poussière, - et s'y relâche enfin.

*

Deste poema do Ponge.
Ouvi-o, pela primeira vez, neste disco.

E há uma razão para o partilhar, hoje — passei a manhã a fotografar mãos que são como pássaros, voam, cantam. Sobre isto haverá mais em breve mas, basicamente, está a ser um dia bom.

15/06/2017

Tumblr

Para não estar constantemente a encher este blog de recortes, tenho este tumblr no qual vou atirando, como que para uma pasta à porta de casa (chegar, esvaziar os bolsos dos papéis que trago, volta e meia abri-la e maravilhar-me com tanta coisa boa e bela que se faz), imagens, tralha, cenas.

△ △ Dust & Grooves — Adventures in Record Collecting △ △ Eilon Paz









△ △ Finalmente o Verão △ △ Jillian Tamaki & Mariko Tamaki





Gosto tanto deste livro que, sempre que o releio, me apetece oferecê-lo a toda a gente.

13/06/2017

Et de plomb et de plume 036



00:00 _ Joanna MacGregor _ Sextet
02:19 _ Lorde _ Royals
05:28 _ Youn Sun Nah _ Frevo
10:41 _ Jenny Scheinman _ Suza
16:02 _ Yael Naim _ Walk Walk
18:36 _ The Black Keys _ Howlin' For You
21:45 _ Dj Shadow & Asia Born _ Back to Back Breaks
23:22 _ Art Blakey, Max Roach, Elvin Jones & Philly Joe Jones _ The Carioca
27:50 _ Cat Power _ Ramblin' (Wo)man
31:32 _ Zeca di Nha Reinalda & João Cirilo _ Tchon di Massa Pé
34:03 _ Baden Powell _ Bassamba
38:39 _ Leon Bridges _ Twistin' & Groovin' (*)
42:48 _ Odetta _ Walkin' Down the Line
46:49 _ Oscar Peterson & Count Basie _ Roots
53:26 _ Feist _ Young Up

*

* — esta devo-a à Ana Cláudia Silva :)